sexta-feira, 8 de agosto de 2014

Viajantes furtados!! Atenção

Meu marido adora organizar viagens. Viajo sempre descansada, pois sei que tudo é planejado meses antes do início do nosso passeio. Ele faz boa parte dos procedimentos através da Internet. Compra passagens aéreas, aluga apartamentos, reserva hotéis, entre outras coisas, relacionadas com o bem estar do transcurso fora do país. Esse ano decidimos viajar ao norte da Itália (Milão, La Spezia, Cinque Terre, Portofino). Também elegemos conhecer Lugano na Suíça, Budapeste na Hungria, Vieira na Áustria, Paris na França e um dia de passagem pela nossa querida Lisboa antes de embarcar para de regresso para o Brasil. Nossa viagem começou na segunda quinzena do mês de julho. Viemos acompanhados de um casal de amigos e de nossa filha mais moça. Até o final de nossa estadia em Budapeste, estava transcorrendo tudo perfeitamente bem. Já tínhamos conhecimento do perigo de furtos à turistas, motivo pelo qual mantínhamos cuidados com bagagens, dinheiro e documentos. Cada um de nós cuidando de seus pertences e dinheiro, porém era o meu marido que se encarrega de cuidar dos passaportes, passagens e seguros de saúde. Colocando tudo em uma sacola à tira colo e andando sempre com a bolsa na frente do corpo. Nos hotéis os documentos e dinheiro eram colocados no cofre. No retorno de Portofino, ainda na Itália, assistimos um furto de dinheiro da bolsa de uma moça na estação de Santa Margarita. Um grupo de meninas adolescentes, provavelmente oriundas de países do leste europeu, furtaram uma jovem turista que descia na estação seguinte. Ficamos apavorados. Descemos na estação de Gênova para troca de trem. Nesse momento fomos cercados por um homem alto e negro que usava roupas femininas. O mesmo estava acompanhado por grupo de homens. Tivemos que correr e entrar no trem. Ufa! Depois de Milão nos deslocamos para Budapeste. Lá não encontramos esses tipos de larápios, porém ao fazer o nosso deslocamento de Budapeste para Viena, tivemos uma desagradável surpresa! Perto do destino, meu marido resolveu guardar na sua bagagem de mão, o caderno em que estava fazendo anotações, momento em que percebeu o furto da bolsa. Lá se foram 400 reais, seguros de saúde, óculos de sombra e de grau (ainda bem que tinha outro desse último citado), telefone celular, canetas entre outros objetos. Nenhum euro levaram porém lá se foram os nossos 3 passaportes. Apavorados chegamos à Viena. "Sem lenço e sem documentos" como diz na música de Caetano Veloso, mas por sorte com as Carteiras de Identidades brasileiras nas malas. Salvadoras! Fomos direto para Polícia de Viena em um posto dentro da estação de trem. Imaginem a cena: Uma policial mal humorada falando um inglês com sotaque austríaco! Entramos no seu departamento. Ela nos mandou sentar e fazer silêncio. Enquanto isso ela cantarolava. Meu marido tem a pele morena, pode muito bem ser confundido com um indiano, dos que estão aos montes aqui pela Europa exercendo trabalhos, principalmente, de vendedores nas ruas. Nos chamou e de forma pouco amigável perguntou o que havia ocorrido. Minha filha teve que ressuscitar o seu aprendizado de inglês, de grande importância naquele momento. Como tínhamos conosco as Carteiras de Identidades do Brasil tudo ficou mais fácil. Ao saber de nossa nacionalidade a policial mal humorada ficou mais cordial. Viu que éramos turistas e que não estávamos de forma ilegal no seu país. Foi feito o boletim de ocorrência e nos orientado procurar a Embaixada Brasileira em Viena, para confecção de novos passaportes, pois sem os mesmos não poderíamos deixar a Áustria. Passamos o sábado e o domingo descansados e, com a certeza, que seríamos bem recebidos pelo pessoal do consulado que atua junto à embaixada. Segunda-feira, 04 de agosto, lá estávamos na frente da Embaixada Brasileira em Viena. Fiquei até um pouco emocionada ao ver a bandeira do Brasil. Nos mandaram falar com a funcionária do consulado. Mostramos o boletim de ocorrência policial de Viena e relatamos o caso. Agora é que vem o segundo "roubo": € 165 cada um dos passaportes. De preferência, deveriam serem pagos com euros na hora para a confecção no mesmo dia. Foram nada mais do que um gasto equivalente à R$ 1.700,00 pelos três documentos. Ainda bem que tínhamos levado uma reserva e que não nos roubaram nossos euros. A funcionária foi gentil bem como a vice-cônsul, que nos chamou à atenção por sua juventude. Nossa viagem está quase acabando. Podemos retornar porque temos os documentos, porém nos sentimos 2 vezes furtados, no trem e no consulado. Viajar é ótimo, voltar para casa não têm preço.
Agora em Paris há milhares de turistas e também bandos de adolescentes que furtam o viajante no menor descuido. É isso aí. ....

3 comentários:

Silva.lfs disse...

A sorte que tinha uma embaixada, e não era no último dia do contrario o transtorno poderia ser maior.

Carla Maia Garcias disse...

Com certeza! Poderia ser pior.

Unknown disse...

Querida amiga: conheci a Hungria de carro. Em Budapest, quebraram o vidro e roubaram som e documentos do carro. Foi um transtorno! Bj